terça-feira, 9 de novembro de 2010

Práticas de Leitura para o 3º ano do E.F.

A leitura diária de textos literários

Desde o volume 1, do Guia de Planejamento do Professor Alfabetizador do Guia Toda força ao 1o ano (TOF), recomendamos que a leitura de textos literários fosse feita diariamente pelo professor. Neste volume, sugerimos a leitura de textos literários três vezes por semana e a leitura da revista Recreio duas vezes.

A leitura feita pelo professor continua sendo uma atividade fundamental para os alunos, pois, embora já sejam leitores, ler textos mais complexos ou longos ainda se lhes apresenta como um grande desafio.

A leitura diária, portanto, deverá ser de textos que necessitam de uma mediação do professor para que os alunos possam desfrutá-los plenamente. Essa atividade não apenas os coloca em contato com textos que eles não conseguiriam ler sozinhos, como também, cria as condições adequadas para que, a médio prazo, eles o façam.

Estudos sobre leitura demonstram, surpreendentemente, que, ao lermos, utilizamos muito mais os conhecimentos que estão fora do texto (sobre a linguagem literária, o gênero, sua estrutura, o portador e mesmo sobre o conteúdo) do que aqueles que estão no papel (as palavras ou as letras). Ou seja, ao ler para os alunos, o professor pode oferecer a eles, a experiência com estes aspectos externos que são fundamentais para a construção de suas competências como leitores.

Para formar leitores – um dos principais desafios da escola – é importante que as experiências dos alunos com os livros e com a leitura sejam bem planejadas sempre e, para isso, a escolha dos livros é decisiva.

Critérios para a escolha de livros para a leitura do professor
 
  •  Leia textos que eles não leriam sozinhos. Histórias curtas, com pouco texto e muitas ilustrações — que podem servir à leitura individual do aluno — geralmente não são adequadas a esta situação;

  •  Escolha textos cuja história você aprecie. Se a história não for interessante para você é provável que também não seja para os alunos.

  •  A qualidade literária do texto é importante. Isso significa: uma trama bem estruturada (divertida, inesperada, cheia de suspense, imprevisível); personagens interessantes e a linguagem bem elaborada, diferente da linguagem que se fala no cotidiano.

  •  Evite escolher histórias com finalidades estritamente atitudinais moralistas, a não ser que o foco do trabalho seja textos desta natureza, como é o caso das fábulas, neste guia. Opte por textos com diversidade temática e de autoria representativa da esfera literária nacional e internacional.

  •  Leia um livro em capítulos ou divida uma história mais longa em partes. Essa estratégia pode ser bastante adequada para as turmas de 3º ano. Isso implica interromper a leitura em momentos que criem expectativa, pedir que os alunos façam antecipações e deixá-los sempre com gostinho de “quero mais”.

Ouvir a leitura e poder comentá-la já é uma atividade completa, na qual os alunos aprendem muito. Não é necessário complementá-la solicitando que façam desenhos da parte que mais gostaram, dramatizações, dobraduras, etc. Além de não serem ações comuns às pessoas, ao lerem textos literários, não contribuem para que os alunos aprendam mais sobre o texto nem para que se tornem melhores leitores.

Fonte: Guia de Planejamento de orientações didáticas parte 1








Nenhum comentário:

Postar um comentário